Marry me?
“Se você estiver ocupado demais para me ligar, eu vou entender. Se você não tiver tempo para me mandar mensagens, eu vou entender. Se você tiver fazendo algo mais importante e não puder me ver, eu vou entender. Se você fingir que não está nem ai pros meus sentimentos e continuar me ignorando, eu vou entender. Se você continuar desperdiçando seu tempo de vida com coisas fúteis, eu vou entender. Mas se eu parar de te procurar, aí é a sua vez de me entender.”
~ Tati Bernardi.
“Persista, insista, se vale a pena mesmo, não desista
~ Nathalia Sâmela  (via renascedor)

[Suspirei fundo, sorri, e me permiti sentir o momento] Depois de toda tempestade há um céu azul


Olhe nos meus olhos.
Consegue ver o que sinto?


Há 1 dia 0 notas · reblog

[E gritou em pensamento: SOCORRO]


Há 4 dias 0 notas · reblog

“Querido diário,
Hoje sinto-me menos vivo do que ontem! Algo em minha pessoa está fedendo. E não estou falando de odores relacionados ao descuido estético dos humanos!
Aliás, HUMANOS. Eu não sei direito se sou um deles, eu me sinto muito diferente. Mas não acredito em anjos também! Provavelmente eu não seria um, pois cometo muitos erros.
É realmente muito difícil para minha pessoa ter uma identidade de gênero! Não me sinto no mundo de Ninguém. Não no mundo dos homens, pois sinto atração pelos tais. Não no mundo dos gays, bi, ou transgêneros, pois não concordo com rótulos, muito menos com seus ideais.
Ah querido diário. Um batom faria de minha pessoa um travesti? Uma calça apertada, um penteado de cabelo diferente, uma rosa na parte superior da orelha, ou ainda uma roupa colorida me faria menos homem?
Ah querido diário! Meu mundo não cabe aqui. Vamos fugir para marte? Eu não me importo de ser sozinho lá.
Ah querido diário, falando em solidão, senti uma vontade enorme de ligar para ele ontem. Sei lá, eu inventaria uma desculpa. Diria que liguei errado, que digitei um número errado, e por coincidência do destino a ligação foi até ele. Na verdade, eu mentiria que já nem tenho seu número. A querido diário, eu só queria me lembrar da voz dele!
A memória é realmente vaga! As vezes me custa um tempo enorme para me lembrar do formato de seu rosto. Que besteira. É só me olhar no espelho, pois nossas feições são idênticas!
Mas o problema, querido diário, é a voz! Eu tenho algumas gravações que guardei dear, mas não retratam toda a doçura daquelas perfeitas notas vocais. Não retratam a perfeita sinfonia qua acontece com aquelas cordas vocais, quando saia da boca dele, aquele maravilhoso “te amo moi”, que na verdade eu nunca soube se saíram do fundo do coração.
Agora me veio na mente ele retratando minha insegurança. Ah querido diário, sinto tanta falta dele me dando broncas! Mas na verdade querido diário, falta mesmo eu sinto dele me dizendo que tudo vai passar, e que ele estará do meu lado sempre.
Mas ele disse isso! E não está aqui como havia prometido. Porque ele mentiu querido diário? Eu acreditei naquela sinfonia. Na verdade, putz, o que eu estou escrevendo!
Querido sítio, eu preciso perder a memória. Muitos problemas seriam resolvidos, quem sabe eu esquecia até que eu era gay, e não teria mais problemas com minha sexualidade.
Com amor, Patrick”

“Independentemente do que acontecesse em nossas vidas, eu me imaginava ao fim do dia deitado na cama ao lado dela, nós dois abraçados enquanto conversávamos e ríamos, perdidos nos braços um do outro.”
~ Querido John.   (via inverbos)


“Querido diario, bom dia (leia-se, ninguém se importaria se eu dissesse “nem tão bom assim”, logo, por educação, bom dia!).
Não me lembro querido diário de ter lhe dito sobre meus horários, mas compartilharei contigo: Agora faz parte da minha rotina, acordar as 4:50 da manhã para chegar ao laboratório às 06:00.
Eu realmente não sei onde me perdi querido diário, mas sei que ando desistindo de minha pessoa! É que eu cansei de ficar por aí me machucando, deixando o meu coração na mão de quem não sabe segura-lo, então, fiz do meu corpo um completo robô! Durmo pouco, estudo muito, e tenho conseguido bons rendimentos no meu lado científico. Eu juro querido diário, mesmo me atolando de afazeres, sempre há aquele momento vago em minha mente, que ao invés de vago, edta cheio. Cheio dele querido diário, cheio de lembranças(as boas, pois são as que guardo é claro), momentos, cheio de amor que eu sinto por ele!
Ah querido diário, eu sinto tanta falta da voz dele! Desde que terminamos, não temos nos falado. Eu sinto falta de ligar para ele (é muito),mas eu já te disse e repito querido diário, eu posso fazer tudo por nós dois, menos amar sozinho. E é isso que tem me matado querido diário. Por que eu tenho me apegado tanto? Eu queria que meus problemas psicológicos não interferisse, mas droga! Eles interferem pra caralho.
Até quando eu vou precisar ser amado pelos outros, exceto por minha pessoa? Amor próprio, Cadê você?
Sabe papai, você jamais reservará um tempo seu para ler isso, mas eu quero que saiba, que em grande parte do meu dia eu te odeio. Sim, eu te odeio, e muito! Minha falta de amor próprio sempre foi culpa sua. Sua e de mais ninguém! Você não sabe? Eu te explico papai. Desde de pequenininho eu busco sua atenção, seu amor, se carinho, um afago no cabelo, uma conversa entre pai e filho talvez? Mas não papai, minhas tentativas sempre foram em vão. Não foram? Eu quero que saiba papai, que ter me mimado nunca adiantou! Comprar o presente que eu queria todo fim de mês, nunca fez de você um melhor pai. Eu preciso que RU saiba papai, que eu estava ocupado demais chamando sua atenção, e não pude cuidar de minha própria pessoa! Esqueci de construir meu amor próprio e fui tentar construir uma relação contigo! Mas papai, tu sabe, eu não sei nada de construção, na escola não ensinavam isso!
Eu sempre senti ódio de ter recebido mais amor dos professores do que de você! Mas porque papai, eu quero uma resposta! Agora. Eu quero aprender a cuidar de minha própria pessoa, e esquecer de cuidar de você! Caramba, será que você não percebe? O pai aqui sempre foi você. Porque nunca exerceu se papel?
Ah papai, tu não sabe quantas vezes eu andei me perguntado sobre minha sexualidade. Foram inúmeras as vezes que é me perguntei, se eu gostava de homens porque me chamavam atenção mesmo, ou se eu sempre busquei neles o amor que não tive em você!
Ah papai, eu sempre tive tanto medo de te decepcionar! Entende agora querido diário? Entende o porquê que seu ator é tão complexo? Seja o que for querido diário, me matou, e eu já não sei me salvar!”

Há 1 semana 0 notas · reblog

13 minutos, ou perto disso


Há 1 semana 0 notas · reblog
“Se você não fosse tão cheio de problemas, nós poderíamos ter dado certo. Se não fosse meu medo de me machucar, meu medo de me decepcionar, seu medo de se prender, meu orgulho e sua insegurança. Eu sempre pronta para começar algo de verdade e você nunca sabendo o que quer. Você vivendo sua vida e tendo certeza de que eu estaria aqui te esperando, como de fato sempre estive. Você sabe bem disso, e eu sempre acreditando em nós. Em nenhum momento eu disse que poderíamos ter um fim, pelo ao contrário, sempre quis que a gente desse certo. Mas as coisas poderiam ter sido diferentes se eu tivesse me imposto mais, não te acostumasse mal. Ou talvez a gente só tenha acontecido no tempo errado, mas tanto faz, você não está pronto e eu não posso te cobrar coisas que você não tem para dar. Agora é cada um para o seu canto, você sabe disso, e eu sei também, mas eu ainda sinto saudades de nós, como eramos, mas isso tudo vai passar com o tempo, por que eu cansei de ficar parada, meu tempo para tentar ajustar com o seu. E se a saudade é o preço a se pagar, tá feito. Saudade é pouco comparada a essa dor no peito. Vou deixar passar. Mas antes de tudo, quero que saiba: eu vou continuar lhe aguardando voltar, vou continuar sentindo sua falta, vou continuar pensando em você mesmo que sua cabeça diga totalmente o contrário.”
~ Fernanda Gomes.
(via inverbos)

“Sou um livro gigante, cheio de folhas escritas com palavras tortas, meio rabiscado, cheio de erros e cansativo demais para ser lido até o fim.”
~ Fernanda Gomes. (via inverbos)

“Eu vou segurar a sua mão, vou te ajudar a remar quando as águas ficarem turbulentas. Mas eu nunca vou deixar o nosso barco se perder, naufragar. E se por acaso tudo ficar complicado demais, eu te abraço até o mar se acalmar. Eu te dou todas as certezas do mundo de que se você vier e que quando tudo isso passar, estaremos em um lugar seguro. Mas você tem que me prometer que não vai desistir no meio do caminho, querer deixar a embarcação ou até mesmo querer remar sozinho. E se tudo parecer perdido me dê um pouco da sua atenção. Eu vou te fazer entender que tudo o que temos consegue ser maior que todos os males que o mar tende a oferecer. Porque o nosso amor é como uma âncora. Ela vai tratar de manter o nosso barco seguro nos momentos de tempestade.”
~ Restos de Um Naufrágio.  (via inverbos)

“Tudo quanto vive, vive porque muda; muda porque passa; e, porque passa, morre. Tudo quanto vive perpetuamente se torna outra coisa, constantemente se nega, se furta à vida.”
~ Fernando Pessoa.   (via despoetizares)